Onde se hospedar em Bariloche? Hotel Panamericano

Dividimos nossos 7 dias em Bariloche em dois hotéis, ambos excelentes! Mas hoje eu vou falar sobre o que nós passamos mais tempo (4 noites) e que, acabamos curtindo mais: o Hotel Panamericano Bariloche. Para facilitar a descrição, resolvi dividir este post em alguns tópicos bem práticos para vocês.

 

Localização

O Hotel Panamericano, possui, além de muuuuito conforto, uma localização privilegiada em Bariloche, na Rua San Martin (continuação da rua Moreno) bem próximo à Avenida Mittre. Ou seja, da para caminhar até restaurantes, mercados, kioskos, farmácias, ponto de ônibus e agências de turismo.

 

Quarto

Nosso quarto era um escândalo!!!! Daqueles que te deixa com zero vontade de sair para ver a cidade (juro!) e muuuuita vontade de morar lá. O quarto estava dividido em três ambientes: a sala, o quarto e o banheiro.

panamericano

A sala estava subdividida em sala de estar e jantar, com uma televisão de tela plana e canais a cabo, lareira, sofá e cadeiras e uma vista de cair o queixo!

panamericano

Já o quarto, possuía a mesma vista de cair o queixo, uma cama daquelas beeem grandes e outra televisão de tela plana com canais a cabo (esse quarto tinha mais televisões do que a nossa casa – sério!).

panamericano

Antes de chegar no banheiro, preciso contar da nossa banheira que ficava no “pré-banheiro”, um espaço com o piso aquecido… Perfeito para finalizar aquele dia que a gente tanto andou ou esquiou.

panamericano

panamericano

Já o banheiro, vinha equipado com mais amenities, roupão, um secador de cabelos e um chuveiro ótimo.

 

Veja aqui o nosso roteiro por Bariloche

 

Vista

panamericano

Como já falei, a vista do nosso quarto realmente era de cair o queixo. Ela dava para o Lago Nahuel Huapi e ao fundo do lago era possível ver a cordilheira dos Andes lá, lindona!!!!!! Pena que não pegamos dias muito bonitos em Bariloche… Se isso tivesse acontecido, acho que eu não ia querer sair do quarto! Hehehe

 

Café da Manhã

Como já cansei de contar para vocês, sou loooouca por café da manhã de hotel!!! Chuto o balde e exagero muito meeesmo! #vergonha. E é claro que este café da manhã não seria diferente…

panamericano

Com diferentes tipos de pães, croissants (medialuna), bolos, biscoitos, frios, ovos e frutas… Eu posso dizer que aproveitei muito o café da manhã do hotel. E a coisa boa é que ele funcionava de 7h às 11h. Ou seja, atendia a galera que madrugava para os passeios e também para a que dormia até mais tarde para descansar.

panamericano

No mesmo local onde era servido o café da manhã, funciona o restaurante La Cave que é aberto ao público.

 

Veja como foi o passeio pelo Circuito Chico

 

Spa

A área do spa do hotel fica no último andar e tem uma vista ainda mais linda que a do quarto. Lá encontramos uma piscina térmica, espreguiçadeiras, sofá, etc. No andar de baixo temos saunas masculina e feminina, academia de ginástica, salas de massagens e uma sala de descanso sensacional!!

panamericano

panamericano

O spa está disponível para os hóspedes, pode ser adquirido para o day use e ainda pelos sócios (como num clube). Mas ainda assim estava super sossegado quando usamos.

 

WiFi e Lobby

Creio que essa seja a minha única reclamação sobre o hotel! Pois não havia wifi free nos quartos (como assim???). Mas no lobby do hotel ele funcionava perfeitamente. Ou seja, volta e meia eu ia para o lobby para fazer um snap, postar algumas fotos ou falar com alguém pelo whatsapp.

panamericano

E falando em lobby, ele era bem grande e distribuído em vários ambientes, uma área com lareira e um piano-bar, onde quase sempre havia alguém tocando, a recepção e muuuito espaço para sentar (afinal a galera conectada ia toda para lá né?!).

panamericano

panamericano

 

De fato, o Hotel Panamericano ganhou o nosso coração no quesito hospedagem em Bariloche, porque uniu conforto, localização, ótimo café da manhã e bom atendimento num só lugar. Recomendo!

 

*O Ziga da Zuca se hospedou em parceria com o Hotel Panamericano Bariloche e com o Destino Argentina, mas nossa opinião segue isenta.

Author: Natália Gastão

Fluminhoca (fluminense + carioca) experimentando a vida mineira em Belo Horizonte, fisioterapeuta, acupunturista e viajante. Apaixonada pelo Rio e por viajar, sofre de tensão pré e depressão pós viagem, não pode ver uma promoção de passagem aérea e quer ir para tudo quanto é canto.

Share This Post On

Mantenha este blog vivo, comente!