Nossa experiência no Memorial do Holocausto

Já comentei aqui no blog que Berlim é uma cidade única, cheia de história, feridas, dores, superações e cicatrizes… Uma cidade que nos traz um turbilhão de sensações desde a angústia pelo seu passado, admiração pelo seu presente e respeito pelo seu futuro, que por sinal, é construído diariamente apesar de toda a sua trajetória de guerras, perdas e destruição.

Visitar Berlim, é caminhar lado a lado com o passado e o presente (e por que não o futuro?), em todos os lugares observamos a sinalização de onde passava o Muro de Berlim, ou esbarramos em algum monumento em homenagem aos judeus mortos na Segunda Guerra. É forte, instigante!

 

Veja aqui o Nosso Roteiro de 4 Dias em Berlim

 

E claro que a visita ao Memorial aos Judeus Mortos da Europa, mais conhecido por Memorial do Holocausto não poderia ser diferente! O lugar que ocupa o espaço de um campo de futebol é preenchido por nada mais nada menos que 2711 colunas de concreto de diferentes tamanhos (como são as pessoas), que formam uma espécie de labirinto num lugar sem vida, cinza e duro como o cimento e o concreto. O Memorial, que homenageia os mais de 6 milhões de judeus vítimas do Holocausto, transmite uma certa sensação de vazio, isolamento e solidão. – Aliás, fica aqui os meus parabéns ao Peter Eisenman, arquiteto que projetou esse espaço ímpar.

Memorial do Holocausto

Memorial do Holocausto

No subsolo deste labirinto, existe o Centro de Informações do Memorial, que possui uma exposição permanente sobre os horrores do Holocausto, lá temos a oportunidade de ver cartas de judeus nos campos de concentração (as das crianças obviamente são as mais tristes), conhecer um pouco a história de sofrimento de algumas famílias, dentre outras coisas.

Memorial do Holocausto

Sala das Dimensões

A exposição é dividida em 7 espaços, cada um abordando uma questão diferente: O Ponto de Partida, apresentado como uma espécie de linha do tempo, ele mostra como aconteceu a política de perseguição nazista entre 1933-1945.  A Sala das Dimensões, que possui registros como cartas e anotações, escritos durante as perseguições. A Sala das Famílias, onde eles se basearam em 15 famílias, de classe sociais e culturais diferentes, para apontar o impacto do Holocausto em cada uma delas. A Sala dos Nomes, onde podemos ouvir os nomes e breve biografias dos judeus mortos e desaparecidos de toda a Europa. A Sala dos Lugares, é onde temos ideia da extensão geográfica do Holocausto, para vocês terem uma noção são apresentados 220 lugares de perseguição e extermínio de judeus. O Portal dos Locais de Memória, que mostra os dados atuais de museus e memoriais distribuídos pelo mundo. E por fim, o Banco de Dados, com os nomes das vítimas do Holocausto e os Arquivos de Vídeo, que trazem entrevistas feitas com os sobreviventes em diferentes idiomas.

Memorial do Holocausto

Sala das Famílias

Memorial do Holocausto

Sala dos Nomes

Uma coisa bem bacana e que eu recomendo muito é o uso do audioguia (usamos em inglês), nós alugamos na entrada do Centro de Informações (4 euros). Sem dúvidas, ele nos ajuda a mergulhar ainda mais nessa parte tão triste da história mundial.

Memorial do Holocausto

Ponto de Partida

Claro que não é um passeio divertido ou agradável, é uma experiência forte e pesada, tão impactante que até escrever esse post não está sendo uma tarefa fácil. Mas, na minha opinião, é uma visita imprescindível, daquelas que nos fazem ver avaliar a vida de forma diferente e voltar para casa pensando no assunto.

É… De fato a gente não volta o mesmo de Berlim!

Quando?

Abril a Setembro: terça a domingo e 10h às 20h (entrada até 19:15h).

Outubro a Março: terça a domingo e 10h às 19h (entrada até 18:15h).

Fechado de 24 a 26 e 31 de dezembro. Nos outros feriados como Páscoa, Pentecostes e Dia do Trabalho (1/5) ele abre normalmente.

Quanto? Gratuito.

Onde? Cora-Berliner-Straße 1 – Tiergarten

Maiores informações no site.

E você, já esteve no Memorial do Holocausto? Qual foi a sua impressão?

 

Organize sua viagem com o ZigadaZuca:
Nós oferecemos apenas produtos que já testamos e que sempre utilizamos em nossas viagens.
Ao utilizar estas ofertas você não paga nada a mais, recebe um excelente serviço pelo melhor preço e ainda ajuda o blog.
.

        

Author: Natália Gastão

Fluminhoca (fluminense + carioca) experimentando a vida mineira em Belo Horizonte, fisioterapeuta, acupunturista e viajante. Apaixonada pelo Rio e por viajar, sofre de tensão pré e depressão pós viagem, não pode ver uma promoção de passagem aérea e quer ir para tudo quanto é canto.

Share This Post On

Mantenha este blog vivo, comente!