Navegando no Titicaca…

O dia havia amanhecido cinza em Copacabana, mas como não havia a possibilidade de um outro dia lá, ignoramos o tempo e fomos conferir o famoso Lago Titicaca.E logo pela manhã seguimos em busca do barco que faz o transporte para a Isla del Sol, o cara estranhou quando dissemos que não passaríamos o dia inteiro, pois precisávamos retornar para La Paz ainda no mesmo dia. Mais tarde compreendemos o porquê do estranhamento…
O tempo estava super fechado, o lago lembrava o mar em dia de chuva… E realmente chovia bem.

Falar sobre o frio chega a ser retórico, afinal a combinação de chuva, num lago com 3821m de altitude é algo surreal. Já sei, vocês devem estar se perguntando “por que vocês estavam na chuva? O barco não tinha cobertura?” Pois é… Lembra daquela história da Bolívia x Segurança? Então, isso se encaixou muito bem aqui. O barco era bem simples e pequeno, o andar debaixo que era fechado, estava ocupado, mas não estava cheio, então resolvemos subir porque em cima estava mais agradável e a chuva havia estiado.

Não sei o tempo exato que levamos para chegar até a Isla del Sol, mas certamente chegou perto de 1:30hs. Aquele trecho costuma ser bonito, afinal a combinação do Lago com a Cordilheira ao fundo é um espetáculo, só que neste dia, não se via Cordilheira, apenas nuvens cinzas e carregadas.

Quando finalmente desembarcamos na Isla del Sol, tudo o que não vimos foi sol, pelo contrário caiu muita água naquele momento, muita mesmo!

E logo que chegamos entendemos imediatamente o porquê do estranhamento que citei acima, o barco que volta na metade do dia, era exatamente o mesmo que a gente pegou para ir, ou seja, pisamos na Isla del Sol, que por sinal ficaria muito bem como Isla de la Lluvia, fotografamos meia dúzia de coisas e entramos no barco de novo… Uau! Essa foi a nossa visita a ilha! hehe







E nesse momento, notei que a ida tinha sido absolutamente tranquila… Porque como o barco é a única forma das pessoas saírem da ilha, e haviam muitos turistas que haviam dormido lá e estavam partindo, bem como moradores de Copacabana que precisavam voltar para casa, trabalhar, etc. O barco foi ficando super cheio… As pessoas já estavam ficando em pé na parte coberta tanto por falta de lugar, quanto pela chuva e vento. O cara do barco só parou de embarcar a “galera” que estava entrando, quando alguns turistas brecaram dizendo “Está lotado!!”. E estava mesmo!



E já que quem está na chuva é para se molhar, voltamos para a parte de cima do barco. Nem preciso dizer que se na ida o lago parecia mar, na volta ele parecia um mar com ressaca (pequena mas parecia). E lembrar do quanto o barco estava cheio, só me fazia sempre ficar de olho onde era a parte de terra mais próxima para eu nadar se fosse o caso. E então batia aquele mega vento com chuva, estava congelando… Nessa hora eu pensava: “Não dá tempo para nadar, eu vou congelar nessa água antes!” – hahaha. Juro que na hora, meus Anjos da Guarda, que nunca descansam quando eu viajo, estavam duplamente atentos.



Num belo momento, quase chegando, o barco parou e o “marinheiro” puxou aquela cordinha para ligá-lo umas 3 vezes e nada, ficamos naquela expectativa… Mas logo o motor pegou e seguimos até o fim. Assim que desembarcamos, o rapaz confessou que praticamente havia acabado o combustível. Era só o que nos faltava né? Ainda bem que meus Anjos são eficazes! 😀

Mas ô voltinha sofrida…

Não preciso nem citar que não conhecemos absolutamente nada da belíssima Isla del Sol, mas pretendemos voltar com mais calma. Quem sabe quando formos conhecer Machu Picchu não damos uma esticada consciente até lá? Leiam bem, consciente!!!

A melhor parte dessa história? Foi quando chegamos em terra firme e tomamos um chá quentinho, seguido de uma deliciosa sopa no almoço. Tudo de bom!



Lições deste post:

  • Nada de fazer bate e volta para Isla del Sol, em apenas uma manhã! Principalmente se o tempo estiver chuvoso, porque nem o passeio de barco será muito aproveitado.
  • Fique no mínimo um dia inteiro.
  • SEMPRE vá com um casaco impermeável! (sou uma gafe, eu sei!)
  • Mesmo que esteja chovendo na ida, por conta do vento forte e da altitude, o clima muda muito ao longo do mesmo dia. Quando estávamos saindo de Copacabana, o céu estava limpando, as nuvens indo embora e o Lago estava num azul espetacular. (como se vê na foto)

Author: Natália Gastão

Fluminhoca (fluminense + carioca) experimentando a vida mineira em Belo Horizonte, fisioterapeuta, acupunturista e viajante. Apaixonada pelo Rio e por viajar, sofre de tensão pré e depressão pós viagem, não pode ver uma promoção de passagem aérea e quer ir para tudo quanto é canto.

Share This Post On

3 Comments

  1. Vocês têm mesmo que voltar! O trekking pela Isla del Sol foi a melhor parte da nossa viagem pela Bolívia. A paisagem é deslumbrante!

    Post a Reply
  2. Oi, Natália!

    Em que mês vocês foram lá?

    Tenho muita vontade de conhecer a Bolívia e pretendia conhecer essa região na viagem pra Machu Picchu, mas acho que vou acabar indo de avião direto pra Lima pelo baixíssimo valor das passagens…

    Não vou deixar de conhecer essa região belíssima, nem que eu vá exclusivamente para a Bolívia só para conhecer o Titicaca.

    As dicas são sempre muito valiosas! =]

    Post a Reply
  3. Fomos no final de setembro/2009.
    Acho que você consegue chegar bem de Machu Picchu até o Titicaca, muita gente faz isso. Como nosso objetivo central na Bolívia foi conhecer o Salar de Uyuni, não estendemos até o Peru, por absoluta falta de tempo.
    A Camila do Viaggiando fez este trajeto e explica tudinho lá… http://www.viaggiando.com.br/search/label/Machu%20Picchu

    E Camila, sem dúvidas eu voltarei! Afinal o lugar é lindo mesmo debaixo d’água!!! hahaha

    Post a Reply

Mantenha este blog vivo, comente!