La Paz e o Soroche

Nossa chegada em La Paz foi à noite debaixo de uma certa chuva, turbulências e ainda, marcada pelo soroche (mal da altitude).
Como nossa subida não foi gradual, contrário a quem vai de ônibus, o impacto da altitude foi forte, principalmente para o Tales, que sentiu quase tudo: tonteira, dor de cabeça e náusea. Já eu, senti apenas aquela sensação de “estar zonza”, flutuando, logo que desci do avião.
E olha, que seguimos bem as orientações de tomar as chamadas “soroche pills”, vendidas em qualquer farmácia boliviana. Trata-se basicamente de uma combinação de cafeína e AAS.
Mas como disse um conhecido meu que está morando na Bolívia, a regra para sentir-se bem costuma ser caminar despacito y comer poquito, ou seja, não sobrecarregar nossos sistemas respiratório, circulatório e digestivo, para evitar o famoso soroche.


Deixando o soroche de lado, meu maior incômodo na chegada a La Paz, foi a condução que pegamos para nos levar ao Albergue. Era noite, chovia, o aeroporto estava fechando (olha que era o internacional) e nada de taxi, apenas uns carros tipo perua (Marea, Quantum, etc.) faziam esquema lotação para a cidade. O problema foi que só havia lugar para uma pessoa, mas o “jeitinho” boliviano associado ao brasileiro, transformou aquele carro num coração de mãe. Ainda bem, caso contrário não sei como sairíamos da frente do aeroporto que nessa altura já estava fechado e ficando deserto. Se somarmos o frio, chuva e soroche, o quadro não seria nada divertido.
Então encaramos o carro, sentamos no banco da frente, nada de cinto de segurança (aliás deu pra notar que segurança e Bolívia não combinam muito) e o nosso motorista estava numa velocidade considerável, em descida constante, sob chuva e numa via de mão dupla. A essa altura o meu anjo da guarda estava me xingando, por tê-lo metido nessa roubada. Mas, como ele é fiel, chegamos.
Estar na capital mais alta do mundo (3.660 m de altitude) é interessante, deu para entender perfeitamente porque a Bolívia sempre ganha em casa desde o futebol até a competição de bolinha de gude. Qualquer esforço que se faça é grande para os mortais que vivem ao nível do mar.
A geografia de La Paz é contrastante! A cidade preenche um vale, desde as laterais até embaixo, com várias casas em suas encostas, semelhante a uma favela, e ao fundo observamos a branquíssima e exuberante Illimani, ponto culminante da Cordillera Real.


A via que se percorre para chegar a região de El Alto (onde fica o aeroporto), segue contornando a borda do vale, passando por áreas íngremes e com alguns penhascos (Lembra da história do “taxi”? O caminho é o mesmo!), aos poucos ganhamos a visão panorâmica da cidade e da Cordilheira.


Passamos pouquíssimo tempo em La Paz, na realidade apenas uma manhã de domingo, de lá alugamos um carro e seguimos em direção a Tiwanaku. Mas tivemos a oportunidade de ver uma passeata contra as drogas, com a participação de crianças, grupos escolares e também militares, parecia algo como um desfile ou parada, pois estava muito organizado.


Visitamos a belíssima Iglesia de San Francisco, que estava em reforma e circulamos um pouco pelo centro. Tudo beeem devagar, afinal o oxigênio estava em baixa!


Sem dúvida alguma, La Paz merecia ao menos um dia inteiro, principalmente para o organismo se adaptar a altitude, além de visitar outras regiões da cidade, mas nosso tempo estava escasso e fizemos o que pudemos da melhor forma. Mas quem sabe numa próxima vez…

Fotos: Tales Lobosco e Zuca (N. Gastão)

Author: Natália Gastão

Fluminhoca (fluminense + carioca) experimentando a vida mineira em Belo Horizonte, fisioterapeuta, acupunturista e viajante. Apaixonada pelo Rio e por viajar, sofre de tensão pré e depressão pós viagem, não pode ver uma promoção de passagem aérea e quer ir para tudo quanto é canto.

Share This Post On

9 Comments

  1. Oi, Natália!
    Aqui é Clarissa, a amiga da Paty da Urca. Td bem? De vez em quando vou nos encontros de vocês lá no Belmiro!
    Então, te achei no twitter! Tenho um blog de viagens, o Dondeando por aí, que tb tem alguns posts da Bolívia, La Paz, etc!
    Vou indicar seu blog lá no meu!

    Bjos e parabéns, as fotos são ótimas!

    Post a Reply
  2. Uau Clarissa! Já estava lhe seguindo no twitter sem saber que era você, seu blog é show de bola! Valeu pelo elogio e pela visita!

    Estou começando no universo da blogosfera e tô adorando! Qdo crescer espero ficar como você e o Márcio* =)
    *Tb sou fã da Janela Laranja!

    Estou lisonjeada com a visita de vocês por aqui! Apareçam sempre!!!

    Beijinhos!

    Post a Reply
  3. Eu também cheguei em La Paz de avião. E já desci esperando sentir os efeitos da altitude, já me preparando para cambalear e tal. Mas não senti nada na hora e achei que estava livre do soroche. Só no dia seguinte, quando andamos bastante, é que vieram a dor de cabeça e a falta de ar… Mas passou rápido! Acho que foi porque não seguimos a dica de “caminar despacito”… 😉

    Ficamos um dia inteiro em La Paz e mais o resto do dia na volta de Tiwanacu. Valeu muito a pena passar esse tempinho lá, a cidade é muito peculiar! Mas ao mesmo tempo eu não gostaria de voltar, entende? hehe

    Post a Reply
  4. Entendo perfeitamente Camila, gostaria de ter ficado um pouco mais de tempo por lá, pois me pareceu aquele local que possui detalhes e contrastes, mas não é exatamente um lugar que me anime em voltar. Mas como nunca se sabe… =)

    Post a Reply
  5. Viu, tô lendo seu blog. Muito legal. Ernani

    Post a Reply
  6. Oi Natália,
    Vim retribuir a visita e estou amando seu blog. =)

    Ainda não conheço La Paz, mas quero muito conhecer!! Tenho um amigo kiwi que foi com a intenção de viajar pela América do Sul toda, mas quando chegou em La Paz gostou tanto que acabou ficando e abortou a missão. Hoje ele está tirando a residência boliviana, acredite se puder.

    Muito legais suas fotos. Parece ser um lugar lindo.
    Beijinho xx

    Post a Reply
  7. Nossa ele gostou mesmo de La Paz hein?
    Conheci muitos estrangeiros na Bolívia, mas todos estavam rodando pela América do Sul, apenas um inglês estava querendo ficar, no caso em Sucre. Atualmente ele está morando em Santiago, foi o mais próximo que ele conseguiu para trabalhar!

    Obrigada pela visita! =))
    Beijo enoorme!

    Post a Reply

Mantenha este blog vivo, comente!